As transformações do corpo da menina que se torna mulher

 

Crescimento e desenvolvimento físico

Sylvia Maria Oliveira da Cunha Cavalcanti*

 

puberdade é um período no qual ocorrem mudanças biológicas. É neste período que ocorre o desenvolvimento físico do corpo, tornando o indivíduo capacitado para gerar filhos. A puberdade não deve ser entendida como sinônimo de adolescência, pois enquanto na adolescência prevalecem as mudanças psicossociais, na puberdade predominam as mudanças corporais.

O marco principal da puberdade para as mulheres é o início da menstruação. Porém, antes da primeira menstruação, várias outras modificações vão ocorrendo no corpo da mulher. As características biológicas são universais e ocorrem de forma semelhante em todos os seres humanos. A puberdade também mexe com o emocional e com o comportamento. As alterações hormonais despertam a sensibilidade sexual e, consequentemente, é neste período que muitos adolescentes começam a ter interesses voltados para este assunto.

As características de crescimento e desenvolvimento físico que ocorrem na puberdade são fortemente influenciadas pela interação entre os fatores genéticos e ambientais. As influências genéticas são determinantes em fatores como o início da puberdade, a intensidade de determinadas características sexuais (pilosidade, tamanho das mamas etc.), a idade da menarca, a altura, entre outros aspectos. As condições ambientais podem influenciar este desenvolvimento, alterando o despertar hormonal e, com isto, interferindo no completo desenvolvimento corporal e antecipando ou atrasando as transformações.

O que é o desenvolvimento puberal normal e quando ele se inicia? O início puberal em meninas tem ocorrido cada vez mais cedo. A idade limite para o início do desenvolvimento puberal esperado é de 9 anos nos meninos e 8 anos nas meninas. Entre 6 e 8 anos, muitas meninas apresentam sinais puberais isolados, associados apenas a um discreto avanço da velocidade de crescimento (VC) e da idade óssea (IO). O quadro representa uma aceleração constitucional do crescimento e da puberdade.

O início da puberdade está condicionado a alterações da sensibilidade do eixo hipotálamo-hipófise-gonodal, desencadeadas por mecanismos que continuam sendo estudados pela Medicina. É como se houvesse um relógio biológico que, em um dado momento, desperta e começa a funcionar, produzindo os hormônios que vão atuar nos chamados órgãos-alvo.

Isto acontece porque, gradativamente vai acontecendo uma diminuição da sensibilidade do hipotálamo (região dentro do cérebro que é responsável por todo o controle dos hormônios) às baixas taxas de hormônios gonodais (hormônios produzidos nas gônadas que são os ovários na mulher e os testículos no homem), aumentando a secreção de hormônios libertadores e de gonadotrofinas, com a resultante estimulação das gônadas. Este processo continua até se estabelecer um nível adulto de interação entre hipotálamo, hipófise e gônadas. As gonadotrofinas e os hormônios gonadais, ao lado dos andrógenos adrenais, são responsáveis por grande parte das transformações que integram o desenvolvimento na puberdade.

O processo de crescimento e desenvolvimento ocorre em diversas áreas do organismo, porém as manifestações mais evidentes e marcantes se relacionam à maturação sexual e aos aumentos de altura, de peso. Geralmente, a partir dos dez anos a menina cresce vários centímetros em pouco tempo, sua cintura se afina, os quadris se alargam, os seios começam a avolumar-se, surge uma leve pilosidade no púbis e nas axilas, ocorre o depósito de gordura em locais caracteristicamente femininos etc. Ou seja, o corpo feminino passa a exibir novas formas.

Paralelamente, as glândulas sudoríparas se desenvolvem, tornando o odor do corpo mais intenso e provocando mais sudorese nas axilas. Essas mudanças, causam uma certa sensação de insegurança e inquietação na menina e culminam com a primeira menstruação. Durante os dois anos seguintes à primeira menstruação, os ciclos podem ser ainda irregulares, mais longos ou mais breves.

Desenvolvimento das mamas e dos pelos pubianos

A primeira manifestação da puberdade no sexo feminino é, geralmente, constituída pelo aparecimento do botão ou broto mamário e, dentro do mesmo ano, acontece o início de desenvolvimento dos pelos pubianos.

O desenvolvimento mamário pode ser avaliado através da inspeção, comparando-a com os critérios dos estágios de Tanner: ( Figura 1)

M1 – mamas pré-adolescentes. Somente elevação da papila.

M2 – broto mamário. Elevação da mama e da papila. Aumento do diâmetro da aréola

M3 – continuação do aumento da mama e aréola sem separação dos contornos.

M4 – projeção da aréola e da papila formando uma elevação acima do nível da mama.

M5 – estágio adulto. Projeção apenas da papila, em virtude do retorno da aréola para o contorno geral da mama.

O desenvolvimento mamário é um grande desencadeador de ansiedade nas meninas, tanto quanto ao tamanho, como quanto à forma. Às vezes existe uma discreta assimetria, situação mais frequente, e, em outros casos, a assimetria pode ser muito marcante (Figura 2). Neste caso, a orientação médica é de aguardar até o total desenvolvimento das mamas aproximadamente dois anos após a primeira menstruação, para se obter certeza do tamanho da forma e da simetria definitiva. É preciso tranquilidade nesse período de transformações, até que o corpo esteja definitivamente desenvolvido fisicamente.

Em relação ao crescimento da estatura, observa-se que a jovem ao iniciar seu desenvolvimento mamário, já começa a ter uma aceleração no seu crescimento, que atinge a velocidade máxima no estágio mamário M3, seguindo-se uma gradual desaceleração nos estágios seguintes.

O desenvolvimento dos pelos pubianos, também segundo os critérios dos estágios de Tanner, ocorre nesta sequência (figura 3):

P1 – pelos pubianos ausentes.

P2 – crescimento esparso de pelos longos, finos, discretamente pigmentados, lisos ou discretamente encaracolados, ao longo dos grandes lábios.

P3 – pelos pubianos mais pigmentados, mais espessos e mais encaracolados, estendendo-se na sínfise pubiana.

P4 – pelos do tipo adulto, porém em quantidade menor, não atingindo a superfície interna da coxa.

P4 – pelos adultos, em tipo e quantidade atingindo superfície interna da coxa. Podem, eventualmente, se desenvolver acima da sínfise, constituindo o estágio P6.

O tempo entre um estágio e outro é variável de uma adolescente para outra, levando as mamas e os pelos pubianos aproximadamente de dois a quatro anos para passar do estágio 2 para o 5. O crescimento da estatura após a menarca é de, aproximadamente, 7 cm ao longo dos 2 anos seguintes, quando cessa totalmente o crescimento, pois os estrogênios agem fechando as epífises ósseas.

Um alerta: o início precoce dos caracteres sexuais secundários desperta curiosidade tanto entre as crianças com quem a menina convive, podendo gerar bullying, como entre os adultos, situação na qual a criança corre risco de abuso sexual. Já na puberdade tardia, os danos psicológicos pessoais podem levar ao isolamento, bem como a menina pode ser vítima de bullying em seu meio social.

Resumindo, a maturação sexual abrange o desenvolvimento das gônadas, órgãos de reprodução e caracteres sexuais secundários (altura, pelos pubianos e nas axilas, nível da sudorese etc.). A idade cronológica isolada é um critério falho para se avaliar o desenvolvimento de um adolescente, principalmente, no grupo mais jovem. Se você tem alguma dúvida, envie-a para nós!

 

* Médica especialista Ginecologista obstetra com área de atuação em sexologia pela FEBRASGO; Mestre em saúde Materno Infantil, Professora da Faculdade de Medicina do Centro de Ensino Unificado de Brasília, Membro do Comissão Nacional de Sexologia da FEBRASGO, Membro da Sociedade de Ginecologia Infanto Puberal (SOGIA), Especialista em Ginecologia da criança e da adolescente pela UFPE, Especialista em sexologia e Educação sexual pela FLASSES (Federação Latino Americana de Sexologia e Educação Sexual)